quarta-feira, 15 de junho de 2011

8 comentários:

  1. No decorrer da obra machadiana, a traição de Capitu com o melhor amigo, Escobar, de seu marido Bento Santiago (Bentinho) é fruto da imaginação e visão de mundo do último, ao interpretar os olhares e comportamento dela. Não sabe-se, por conseguinte, se ocorreu ou não tal traição.
    Aspectos que evidenciam, ao ver de Bentinho, a traição de Capitu, são os próprio trechos: "(...)Capitu olhou alguns instantes para o cadáver [de Escobar] tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lárgimas poucas e caladas..." (Capítulo CXXIII - Olhos de ressaca); "Ezequiel tem nos olhos uma expressão esquisita(...)eram os olhos de Escobar" (Capítulo CXXXI- Anterior ao anterior); "Escobar vinha assim surgindo da sepultura(...)para se sentar comigo à mesa(...)ou pedir-me à morte a bênção do costume" (Capítulo CXXXII- O debuxo e o colorido) e " Capitu e eu, involuntariamente, olhamos para a foto de Escobar, e depois um para o outro. Desta vez a confusão dela fez-se confissão pura" (Capítulo CXXXIX- A fotografia), após demonstrada a possessão amorosa de Bentinho em "(...) Agora lembrava-me que alguns olhavam para Capitu(...)me sentia dela, que era como se olhassem para mim" (Capítulo LXII- Uma ponta de Iago).
    Observa-se nesse romance uma dualidade de interpretação quanto ao enlace amoroso central, Bentinho-Capitu,uma vez que paira a dúvida sobre a suposta traição. Este fato é uma marca registrada de seu autor, Machado de Assis, quem pausa sua história para falar com o leitor, concebendo essa deixa para tal. De leitura fascinante, desafia as mais intoleráveis mentalidades.

    ResponderExcluir
  2. Visualiza-se na obra de Machado De Assis, "Dom Casmurro", que Bentinho, marido de Capitu começou a perceber que estava sendo traído por esta, durante o velório de Escobar,seu melhor amigo, pois seu suspeito comportamento o deixou muito intrigado.
    O estopim de sua desconfiança foi o nascimento de seu filho com Capitu( Ezequiel) que parecia muito com Escobar.

    ResponderExcluir
  3. Stephannie Sundfeld18 de agosto de 2011 17:49

    Percebe-se durante a obra "Dom Casmurro", de Machado de Assis que a desconfiança de Bentinho pela traição de sua mulher Capitu com seu melhor amigo tornou-se ainda maior com o nascimento de seu "possível" filho(Ezequiel) com esta, mas que na verdade tinha diversas semelhanças com seu melhor amigo Escobar, fator importante para explicar os constantes destratos de bentinho com seu filho Ezequiel.
    Mas foi durante o velório de Escobar, que Bentinho se convence ainda mais sobre a traição de Capitu, que se comporta de maneira estranha perante a situação já que se mostra mais abalada do que o previsto, o que faz só aumentar a intriga de Bentinho.

    ResponderExcluir
  4. Na obra escrita por Machado de Assis, podemos observar a convicção do personagem Bentinho com relação a possível traição de Capitu e seu amigo Escobar, mesmo sem ter nenhuma evidencia concreta, apenas com uma interpretação equivocada do comportamento de Capitu, mesmo não sendo tão exagerado, e nas semelhanças que seu filho Ezequiel tem com o seu amigo.
    A trama envolve temas atemporais além da dúvida da traição, e o sentimento de impotência perante a dúvida. Dom casmurro Realmente é um ótimo livro que envolve o leitor com a seguinte questão, se Capitu traiu ou não Bentinho.

    ResponderExcluir
  5. Dom Casmurro aborda características psicológicas do ser humano como a duvida constante do personagem Bentinho com relação a traição de sua amada Capitu que apenas com um olhar e condenada por ele que também passa a notar semelhanças de seu filho Ezequiel com o seu amigo Escobar.
    A durante toda a obra podemos observar as grandes incertezas de Bento, e as suas decisões e julgamentos precipitados.

    ResponderExcluir
  6. A história está construída de forma que o leitor tenha dúvida da traição de Capitu, afinal há indícios de adultério, porém em contra partida a pureza e a doçura no comportamento de Capitu.
    Bentinho sempre aparentou uma personalidade insegura, muito fácil de manipular, tornando-se um adulto recheado de tristeza e intolerância. Bentinho ficou tão tomado ciúme, que chegou a pensar em suicidar-se e em matar seu filho Ezequiel. Mesmo sem saber se foi traído ou não, toma certas atitudes com a intenção de aliviar suas dúvidas e decide mandar Capitu e Ezequiel para a Europa, onde Capitu morreu anos depois e onze meses após morre Ezequiel de febre tifóide.
    Não se sabe se houve adultério ou não, trata-se de uma escrita altamente subjetiva, que nos faz pensar tirar nossas próprias conclusões através de indícios que ao longo da história surge deixando um ar de dúvida pelo comportamento estranho de Bentinho e suspeito de Capitu.

    ResponderExcluir
  7. Na obra de Machado de Assis, ao longo da história, desconfia-se que Capitu traiu seu marido Bentinho com o melhor amigo dele, Escobar, isso se deve ao comportamento estranho que ela tem. Na verdade ninguém pode afirmar nada, vai da imaginação de cada um que lê a obra, pois na história não diz se ela o traiu ou não.
    Tem um capítulo do livro que mostra bem essa paixão de Capitu por Escobar: "(...)Capitu olhou alguns instantes para o cadáver [de Escobar] tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lárgimas poucas e caladas..." (Cap. CXXIII) "Escobar vinha assim surgindo da sepultura(...)para se sentar comigo à mesa(...)ou pedir-me à morte a bênção do costume" (Cap. CXXXII) e " Capitu e eu, involuntariamente, olhamos para a foto de Escobar, e depois um para o outro. Desta vez a confusão dela fez-se confissão pura" (Cap. CXXXIX).
    Nos capítulos acima, mostra que Capitu é sim apaixonada por seu marido, mais também pode SIM ter traído ele com Escobar. O sentido da obra é ambíguo e vai da interpretação do leitor.
    Esta obra é um marco de Machado de Assim, querendo deixar essa dúvida na cabeça dos leitores, e assim poder interagir com ele.

    ResponderExcluir
  8. Subentenda-se que Escobar começou desconfiar de Capitú no velório de Ezequiel; quando sem disfarçar Capitú chora sob o cadáver.

    Ana Paula Zamboni - 3º Ano.

    ResponderExcluir